quinta-feira, março 17, 2011

Não põe corda no meu bloco.

 Não põe corda no meu bloco é o nome de um capítulo de introdução do livro: Português ou Brasileiro? de Marcos Bagno. Que por sinal é um ótimo livro voltado para educadores e estudiosos la língua.
 Para o meu trabalho no curso de letras, resumi esse primeiro capítulo. Bom, ficou assim:


Resumo do Capítulo 1

NÃO PÕE CORDA NO MEU BLOCO
Da Gramática Tradicional da Antiguidade à CIÊNCIA LINGÜÍSTICA MODERNA

  O estudo da linguagem começou no Egito, em um importante centro de cultura grega, a cidade de Alexandria.
 Os antigos filólogos criaram a gramática baseada nas regras gramaticais dos gregos e inspirada nos grandes escritores antigos. Nesse ponto já ocorreu uma falha, pois uma vez que a gramática era baseada em obras de grandes escritores, a grande maioria da população que não era letrada não tinha acesso nenhum a literatura, mas nem por isso deixavam de se comunicar como a natureza humana os guiava, se comunicavam verbalmente e ao passar dos anos o tempo mudava, guerras eram estabelecidas, conceitos foram criados, a história foi se alterando e a linguagem verbal foi acompanhando essa mudança, enquanto isso a gramática permanecia a mesma.
 A gramática tradicional da língua portuguesa surgiu porque os nossos colonizadores, queriam se mostrar superiores ao apresentar-se aos povos colonizados, mostrando uma cultura estável e admirável. Então baseados na gramática dos gregos criaram o sua própria gramática, fazendo distinção a línguas nativas do Brasil, tachando como errado tudo que ia contra a norma culta padrão.
 Durante cerca de 23 séculos a gramática impôs a sua ditadura na nossa forma de falar, mas com o surgimento da lingüística a nossa fala ganhou voz, pois a lingüística, que é a ciência que estuda a linguagem e suas variações em todas as formas, nos trouxe liberdade de comunicação na forma de escrever e falar, sabendo-se que cada forma de comunicação tem um contexto próprio, uma razão diferente, um organização diferente.  A lingüística veio para quebrar tabus e acabar com aquele antigo folclore de que tudo o que não é de acordo com a gramática tradicional é errado. Essa ciência da linguagem confirma que a única forma errada de comunicação é aquela que não haja interação entre os interlocutores.
 A ortografia é diferente da linguagem, podemos falar corretamente e escrever errado, por isso nesse caso devemos ter como base a norma culta para não haver um caos na literatura, para que na escrita possamos nos entender conjuntamente, lembrando que a norma culta de acordo com a lingüística varia de acordo com a região, costume, classe e não é a Gramática Tradicional (GT). Assim podemos distinguir de onde provem o textos, porque tipo de pessoa ele foi escrito e etc.
 O projeto NURC (Norma Culta Urbana) é uma iniciativa que analisa a linguagem falada para criar uma gramática mais coesa e referente a nossa realidade brasileira, também utiliza da sociolingüística para explicar o contexto em que a mensagem foi exprimida, as características da mensagem, isso ajuda a desvendar a região do falante a classe social, o grau de escolaridade entre outras coisas que a GT não explica.
 Contudo ainda é necessário ensinar nas escolar a gramática tradicional,  mas com um visão crítica, pois essa ferramenta lingüística é a que mais pode servir como arma de ataque e defesa em nossas vidas e nos faz impedir conscientemente que alguém coloque corda em nosso bloco.

3 comentários: